Assassinos de travesti pensaram que estavam pegando uma mulher

Giselle Ulbrich Publicação 08/01/2013 - 11h24 Atualizado 19/01/2013 - 22h25
Reprodução

Daniel, Sidney e Maicon não confessaram o assassinato de “Nicole”.

O assassinato do travesti Bruno Borges Generozo, 20 anos, a “Nicole”, ocorrido na madrugada de domingo (06) na Estrada das Olarias, Santa Cândida, é considerado esclarecido pela Polícia Civil. Os suspeitos de tê-lo matado seriam os mesmos que assaltaram uma farmácia, em Colombo, e trocaram tiros com a Polícia Militar, horas depois. No confronto, um bandido morreu, outro ficou ferido e dois foram presos. O travesti trabalhava como cabeleireiro com sua mãe, no Tatuquara.

O crime começou a ser esclarecido depois da prisão do bando, após o confronto num sobrado da Rua Luiz Carlos Cardoso, no Santa Cândida. Os presos no tiroteio e as três armas apreendidas foram levados ao Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (Ciac-Sul), onde o 5.º Distrito Policial (DP) estava de plantão. Não se sabia que a quadrilha tinha relação com a morte do travesti, até que uma denúncia chegou ao delegado Geraldo Celezinski.

Engano

Em investigação com a Delegacia de Homicídios, o delegado apurou que tudo começou na noite de sábado, quando “Nicole” e seu namorado combinaram de sair para uma balada. O carro do namorado teria quebrado em frente à Ceasa e o rapaz pediu a alguns amigos que fossem buscar “Nicole”, em Araucária. Na balada sem o namorado, conforme disse a polícia, o travesti “se engraçou” com um dos rapazes que foram buscá-la. Mas só descobriram que “Nicole” era travesti depois de um tempo.

Revoltados porque Nicole enganou os rapazes sobre ser mulher, o bando resolveu matá-lo. Foram até a casa de Daniel Morais dos Santos, 26 anos, buscar as armas (uma pistola calibre 380, outra 9 milímetros e um revólver calibre 38) e colocaram “Nicole” num Astra. Na Estrada das Olarias, às 4h, obrigaram o travesti a descer. “Nicole” se negou, mas foi puxada do veículo e, assim que saiu, levou o primeiro tiro na nuca. No chão, levou mais tiros. Na saída, os bandidos ainda passaram por cima do seu pé.

Suspeitos


Além de Daniel, segundo a polícia, participaram do homicídio Sidney Augusto Bueno, 30, e Maicon dos Santos Straub, 20. De acordo com as investigações, Daniel cedeu as armas, mas ficou dentro de um Peugeot, do outro lado da rua, enquanto Sidney e Maicon executaram a vítima. Algumas mulheres estariam com eles e presenciaram o assassinato. Todos negaram envolvimento no assassinato.

Roubo depois do homicídio

Horas depois do homicídio, os três, além de Jeferson Monteiro, 26, assaltaram uma farmácia Nissei na Estrada da Ribeira, no Alto Maracanã, em Colombo. As vítimas conseguiram descrever Maicon por causa de um defeito que ele tem na boca. Com as características, policiais militares do serviço reservado, do 22.º Batalhão, detiveram Maicon, que foi reconhecido pelas testemunhas.

Os policiais perguntaram onde estava o resto do bando e Maicon indicou a casa de Daniel, na Rua Luiz Carlos Cardoso, no Santa Cândida. Sidney estava em frente à casa e correu para dentro.

Confronto

Quando os policiais entraram, foram recebidos à bala por Jeferson, Maicon e Daniel. No confronto, Jeferson morreu. Daniel foi ferido na perna e está hospitalizado. Ele usou uma mulher que estava na casa como escudo e ela foi baleada na mão. Sidney foi preso sem ferimentos.

A polícia solicitou confronto balístico das três armas apreendidas, com os projéteis retirados do corpo do travesti, e exame residuográfico capaz de detectar pólvora nas mãos, mesmo depois de lavadas. O Astra e o Peugeot também passaram por perícia. Os laudos devem sair em algumas semanas. A polícia agora procura pelo celular de “Nicole”, levado pelos assassinos.

Antecedentes


Sidney é foragido da Justiça. Tinha uma condenação de 23 anos e, quando começou a cumpri-la no regime semiaberto, saiu de portaria da Colônia Penal Agroindustrial e não voltou. Foi recapturado no dia 26 de novembro e fugiu da delegacia de Fazenda Rio Grande, em 10 de dezembro, com outros detentos.

Daniel é investigado por uma tentativa de homicídio, ocorrida na quinta-feira. Ele e alguns comparsas abordaram Tiago de Lima e dois amigos, na Estrada das Olarias, se intitularam policiais e atiraram. Tiago foi ferido e permanece no hospital.

Marcos Borges

Armas apreendidas serão periciadas.

Publicidade

Publicidade