Desmantelada quadrilha que vendia remédios para o exterior

Márcio Barros Publicação 23/08/2008 - 00h00 Atualizado 19/01/2013 - 21h26
Fábio Alexandre
Além de 2 mil drágeas foram apreendidos dinheiro e arma roubada.

Oito pessoas, entre elas proprietários e funcionários de farmácias em Curitiba e região metropolitana, foram presas e 20 mandados de busca e apreensão cumpridos pela Polícia Federal, na manhã de ontem.

A Operação Tarja Preta - que teve início há pouco mais de três meses - apreendeu psicotrópicos nos Estados Unidos e investiga um esquema de venda ilegal de remédios de uso controlado, para os EUA, Canadá e Europa.

Na casa do líder do grupo, foram apreendidos R$ 22 mil, dois mil comprimidos de remédios diversos e uma pistola Taurus calibre 765, com alerta de roubo, além de comprovantes de envio de mercadorias por correspondência.

Segundo as investigações apresentadas pelo coordenador de operações especiais da fronteira, Wagner Mesquita de Oliveira, quatro farmácias e uma distribuidora de medicamentos estão envolvidas.

Os remédios, vendidos via internet, eram entregues pelo correio, geralmente em caixas de energéticos e estimulantes legais. “Através de fóruns de discussão na internet os interessados entravam em contato com a quadrilha e faziam a encomenda, em seguida, acertavam o pagamento via “Wester Union”, um sistema internacional de transferencia financeira”, contou.

Morfina

Segundo Wagner, o remédio Oxycotin era o principal produto vendido pelo grupo, no entanto, outras substâncias como Dimorf e Mytedon, ambos derivados de morfina, também faziam parte das negociações, além de outros medicamentos controlados e psicotrópicos, tranqüilizantes e psicóticos.

O líder do grupo, que não teve a identificação divulgada, tinha o apelido de “Monstro”. Além dele e de sua esposa, foram presos donos de farmácias e alguns funcionários. “Eles responderão por tráfico internacional de entorpecentes, falsificação de medicamentos, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro”, completou o coordenador.

Efeito

OxyContin é o nome comercial para a substância cloridrato de oxicodona. Remédio com liberação controlada prescrito para o tratamento de dores crônicas. O uso indiscriminado e o abuso, causa o vício.

O efeito da droga pode variar, desde analgésico ou alterações cardíacas e respiratórias, deixando ela mais lenta, ou a euforia. “O medicamento usado como entorpecente é diluído em algum produto e injetado na veia, com o mesmo efeito da heroína”, explicou Wagner.


Publicidade

Publicidade