BS Colway parte para importação de pneu chinês

Cintia Végas Publicação 05/04/2008 às 00:00:14 Atualizado 19/01/2013 às 21:21:35

 Foto: Lucimar do Carmo

BS Colway: nova parceria.

Impedida pela Justiça de importar pneus usados para remoldagem, a BS Colway confirmou ontem que vai direcionar suas ações à revenda de pneus novos trazidos da China.

Para formalizar a parceria com o país asiático, o presidente da empresa, que tem sede em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba, Francisco Simeão, recebeu a visita do embaixador da China, Chen Duqing.

“Iniciamos negócios com a China há um ano e meio, como um plano B em função da pressão que sofríamos do governo brasileiro por realizar a remoldagem de pneus usados trazidos de países estrangeiros. Hoje, importamos mensalmente 75 mil pneus novos da China. Até o final de 2009, esperamos aumentar nossas importações para 200 mil unidades a cada mês, número próximo à totalidade de pneus remoldados que fabricávamos anteriormente”, afirmou Simeão.

Segundo o empresário, a importação de pneus chineses vai contribuir com a manutenção de 5 mil empregos em 484 centros automotivos ligados à BS no Brasil. Na sede da empresa, com o fechamento da fábrica, 1200 trabalhadores foram demitidos no ano passado. Destes, noventa devem ser readmitidos para atuar na área comercial. “A parceria da BS com a China vai trazer uma série de benefícios aos asiáticos e aos brasileiros. Irá proporcionar uma cooperação comercial que trará vantagens principalmente aos consumidores, que serão beneficiados pela maior concorrência dentro do setor de pneus”, comentou Chen.

Quanto ao preço de comercialização, Simeão revela que os pneus trazidos da China são mais caros que os remoldados, mas cerca de 30% mais baratos do que os produtos de primeira linha fabricados no Brasil por multinacionais. Com o objetivo de impedir movimentos contrários ao aumento da importações, o presidente da BS também anunciou ontem a criação da Associação Brasileira de Importadores de Pneus Chineses (Abipec), que será formalizada no próximo mês. “Com a associação, vamos agrupar os importadores de pneus e outros produtos de países asiáticos”.

A BS ainda tenta na Justiça reverter a decisão do Supremo Tribunal Federal que a impede de importar pneus da União Européia. Simeão acredita que vai vencer a batalha, mas informa que a reabertura da fábrica de Piraquara não é cogitada. “O governo brasileiro já concluiu que não devemos prosseguir. É impossível reativar a fábrica e continuar sofrendo perseguições da Receita Federal, do Ibama e do Porto de Paranaguá, que ainda retém 404 mil pneus que trouxemos da Europa. Provavelmente vamos vender nosso maquinário. Já temos interessados em adquiri-los no Paraguai e no Uruguai”.

Ainda ontem, Simeão sinalizou para a possibilidade de abertura de uma nova fábrica de pneus em parceria com empresários chineses. Esta teria investimento de US$ 200 milhões e poderia funcionar tanto no Brasil (provavelmente na Bahia, que tem apresentado melhores propostas de incentivos fiscais) ou em outro país da América Latina.

Projetos sociais mantidos

Nesta semana, o presidenteda BS Colway, Francisco Simeão, transferiu para o governo do Estado e para a UFPR o projeto

Vila da Cidadania, através do qual alunos do ensino fundamental contam com uma mini-cidade para trabalhar questões como cidadania e práticas políticas. Outro trabalho social mantido pela empresa, o Programa Bom Aluno, irá continuar funcionando até 2010. Com isso, duzentos estudantes a partir da quinta série do ensino fundamental da rede pública de ensino continuarão sendo atendidos, mas novos jovens deixarão de ser incorporados às atividades.

As ações do Grupo Escoteiro Guardião das Águas também serão mantidas.


Publicidade

Publicidade

Comente a notícia