Jovens tentam vaga na Guarda Mirim de Curitiba

Cintia Végas Publicação 07/08/2004 às 01:00:00 Atualizado 19/01/2013 às 20:46:22

Dezenas de pessoas passaram a madrugada de quinta para sexta-feira em frente à sede da Guarda Mirim, no bairro Ahu, em Curitiba. Ontem de manhã, centenas de pais de estudantes formavam fila no local na esperança de conseguir uma vaga para seus filhos adolescentes.

Das 8h às 18h, integrantes da Guarda receberam documentos (certidão de nascimento e comprovante de matrícula escolar) de jovens que almejam entrar para a instituição. Atualmente, a Guarda é composta por 1.250 estudantes. Estão em disputa 250 vagas da 7.ª e 8.ª séries de ensino fundamental e do 1.º ano do ensino médio para o ano letivo de 2005.

Para poder se candidatar a uma vaga do ensino fundamental, os interessados precisam ter nascido em 1990 e já estarem matriculados ou na 6.ª ou na 7.ª séries. Para o ensino médio, os candidatos precisam ser nascidos em 1989 ou 1990, estar cursando a 8.ª série do ensino fundamental ou a 1.ª série do ensino médio. "O ano letivo de 2005 terá início em fevereiro. Quem for selecionado para o ensino fundamental irá ficar em tempo integral na instituição: um período no programa de escolarização normal e outro participando de um projeto de pré-aprendizagem profissional", comenta o diretor da Guarda, Nivaldo Vieira Lourenço. Já quem entrar no ensino médio deverá estudar em uma escola regular e freqüentar por meio período o projeto de pré-aprendizagem.

É justamente o projeto de pré-aprendizagem que mais chama a atenção dos pais que buscam uma vaga para os filhos. Depois que os adolescentes o concluem, são encaminhados a uma das 275 empresas conveniadas à Guarda para se tornarem menores aprendizes. Nos locais, eles podem ficar pelo período máximo de dois anos, e recebem um salário mínimo. Algumas empresas também ofertam vale-transporte e ticket alimentação. "Muitos jovens, depois de dois anos, acabam sendo contratados como funcionários das empresas", conta o diretor.

No próximo sábado, os adolescentes que fizeram a inscrição ontem serão submetidos a provas de Matemática, Português, Redação e conhecimentos gerais. Dias depois, as famílias dos aprovados terão que passar por uma entrevista psicossocial. O objetivo é comprovar a baixa renda e identificar jovens que estejam em situação de risco social. Esses são os focos dos programas desenvolvidos pela Guarda Mirim.

Pais

A vendedora Adriane de Castro chegou à Guarda às 21h40 de quinta-feira. Munida de cobertores, ela foi uma das pessoas que passaram a madrugada em frente à instituição na tentativa de conseguir uma vaga para a filha de 14 anos de idade. "Se minha filha conseguir entrar na Guarda vai ter valido a pena passar a noite na fila. Acho ótimo ela ter a oportunidade de trabalhar como aprendiz e, ao mesmo tempo, ganhar um dinheirinho para se manter, conseqüentemente ajudando nas despesas de casa", afirmou.

A atendente Sueli Gonçalves de Oliveira também tem uma filha de 14 anos. Ela acredita que participar do programa de pré-aprendizagem pode ser muito importante para o futuro da menina. "O programa vai ajudar minha filha a adquirir responsabilidade e disciplina. No futuro, também vai ajudá-la a conseguir um bom emprego."


Publicidade

Publicidade

Comente a notícia