Saiba o que fazer após passar em um concurso

Ciciro Back
Pessoa deve ter o mesmo comportamento e comprometimento exigidos pelas empresas privadas.

Passar em um concurso público é resultado de muito esforço e dedicação, com horas e horas de estudos para tentar alcançar o objetivo. Quando isto acontece e o aprovado é chamado para assumir a função, tem início uma nova carreira, em um ambiente diferente e cheio de desafios. Por isto é importante saber como agir e começar com o pé direito no novo emprego.

Para a especialista em etiqueta corporativa e social Silmara Santos Adad, diretora da Pitacos Assessoria, a função no poder público deve ser encarada com a mesma seriedade como se fosse em uma empresa privada. O fato de o novo funcionário público garantir a estabilidade não pode permear as atitudes na ocupação. “Toda pessoa, seja na esfera pública ou na privada, precisa ter ambição. Se ela já teve para entrar e garantir a vaga no concurso público, ela deve ser consciente sobre sua produção. A pessoa deve ter o mesmo comportamento e comprometimento que as empresas privadas exigem dos funcionários”, avalia.

A coach Cibele Nardi também enfatiza a necessidade de encarar o emprego público como se fosse em uma empresa da iniciativa privada. “Embora exista a estabilidade, a pessoa precisa conquistar a confiança onde ela está e dos colegas. Tem que trabalhar para ser aceito. A realização não vem apenas do salário mensal, mas também pelo reconhecimento do próprio trabalho”, comenta. As duas especialistas dão dicas sobre como os novos funcionários públicos devem agir ao assumirem as suas funções.

Aparência

Não adianta. A primeira impressão é a que fica. Usar a roupa adequada e estar com o corte de cabelo em dia garantem pontos ao funcionário iniciante. “A roupa não precisa ser nova. No entanto, deve estar limpa e passada. É preciso lembrar também de quem está do outro lado para ser atendido, por exemplo”, opina Silmara. Além das vestimentas, o funcionário deve tomar cuidado com o linguajar e as palavras usadas nas conversas. “Nada de palavras pesadas”, aconselha Cibele.

Pontualidade

Chegar no horário certo para trabalhar é requisito básico em qualquer situação e não é diferente para a empresa ou órgão público. Pode parecer bobagem, mas já há concursos indicando que parte do salário será atrelada à presença do funcionário, que não deve ter faltas. “Depois dos primeiros meses, uma parte do salário vem com o fato do funcionário não faltar ao trabalho. O valor pode até ser simbólico, mas mostra que o poder público quer comprometimento”, salienta Silmara.

Apresentação

A vaga está garantida, mas o trabalho ocorre de maneira coletiva e um bom relacionamento com os colegas é essencial para manter um clima agradável para as atividades. “Quando a pessoa chegar para se apresentar, deve ressaltar que veio para colaborar”, explica Cibele.

Humildade

Quando alguém inicia em uma nova função, é normal passar por um período de experiência. Aprender faz parte do processo e o novo funcionário público deve estar aberto para isto, inclusive para críticas. “Tem que ser humilde. A simplicidade não significa que você não tenha capacidade. Não agir desta maneira passa a impressão de arrogância e de que não quer colaborar”, destaca Cibele. A pró-atividade é essencial. “Se você está tranquilo e ou está vendo um colega enfrentar alguma dificuldade, ofereça ajuda. Não é fazer o trabalho do outro, mas você pode ajudar”, ensina Silmara.

Relacionamento

A atividade no poder público também depende de bons relacionamentos, mesmo com a estabilidade. Além do clima organizacional, o chamado “networking” pode garantir novas oportunidades dentro do órgão público e contribuir para a ascensão na carreira. “É necessário ter em mente o ambiente que você está. A pessoa também precisa saber conviver em qualquer área e respeitar as opiniões alheias”, indica Silmara.

Aperfeiçoamento

Depois de tanto esforço nos estudos, quem está assumindo uma função no poder público pode relaxar um pouco. Mas o aperfeiçoamento não pode ser esquecido diante da garantia do emprego. “Um tempo de descanso é bom, mas não pode ser muito longo. Se ficar muito tempo sem estudar, será mais difícil retomar. É preciso estudar sempre e não se acomodar. Quando saímos da zona de conforto, aprendemos e ainda ampliamos nossos relacionamentos”, declara Cibele.


Publicidade

Publicidade

Comente a notícia