Casal homossexual poderá adotar criança em Curitiba

Cintia Végas Publicação 14/05/2009 - 00h10 Atualizado 19/01/2013 - 21h36

Uma decisão da 2.ª Vara da Infância e da Juventude e Adoção pode mudar a vida de um casal homossexual que vive em Curitiba. Há dois anos, R.L.S., de 39 anos, e R.P.K, de 40, tentam adotar uma criança.

Recentemente, eles tiveram o pedido deferido por uma juíza, que entendeu que o casal vive uma união estável e afetiva e tem condições de criar uma criança de qualquer sexo e faixa etária em ambiente saudável.

“No Paraná, nenhum casal homoafetivo conseguiu ainda adotar uma criança no nome dos dois. Muitos adotam, mas apenas em nome de um, como solteiro. Por isso, ficamos muito felizes quando nosso pedido foi deferido”, conta R.L.S. Segundo eles, até agora, as pessoas têm reagido de forma positiva. “No dia-a-dia, não sofremos preconceito, mas temos consciência de que ele existe.”

Porém, apesar da alegria, R.L.S. e R.P.K. temem que a promotoria pública possa recorrer da decisão. Isso porque, anteriormente, a mesma se manifestou dizendo que o pedido de adoção era procedente, mas com a ressalva de que a criança adotada deveria ser uma menina com mais de 12 anos de idade.

“O parecer da promotoria é contrário à Constituição Federal, pois fere os princípios da igualdade dos adotandos e da adotada”, diz a advogada Anassílvia Santos Antunes, da Popp&Nalin Advogados Associados, escritório que representa o casal. “A justificativa da promotoria é de que uma menina com 12 anos poderia optar se quer ou não ser adotada por um casal homoafetivo.”

O casal diz preferir uma menina de até três anos. “Gostaríamos que a criança nos identificasse como pais. Acreditamos que uma criança pequena pode conviver mais naturalmente com o fato de ser adotada por um casal homoafetivo, aceitando e lidando melhor com a situação. Falo isso devido à experiência que tenho com meus sobrinhos. Eles convivem comigo e com meu companheiro desde pequenos e não enxergam diferenças”, comenta R.P.K.

R.L.S. e R.P.K. acreditam que a decisão judicial não irá beneficiar apenas eles, mas também outros casais homossexuais brasileiros que desejam adotar uma criança e as próprias crianças disponibilizadas para adoção.


Publicidade

Publicidade

Comente a notícia

Esta notícia já contém 36 comentários.

  • Daniel UFSJ SJDR MG
    15/05/2009 - 11:36

    Maria LG, pessoas nojentas como vc q deveriam sair de circulação, pessoas que disseminam o ódio, o peconceito...Vai DENUNCIAR meu comentário DE NOVO? há algo de errado com ele? ele te Iincomoda? NOSSA FORÇA É MAIOR QUE O SEU PRECONCEITO...

    A responsabilidade do comentário é do autor da mensagem e não representa a opinião do Paraná Online.
    Denuncie o comentário Responda o comentário

  • reinaldo roda
    15/05/2009 - 07:41

    minha cara Maria liberato vç deve ser um exemplo de pessoa na façe da terra.?qual foi a sua contribuição á humanidade? cala-te em julgar e olhe para o seu interior.

    A responsabilidade do comentário é do autor da mensagem e não representa a opinião do Paraná Online.
    Denuncie o comentário Responda o comentário

  • reinaldo roda
    15/05/2009 - 07:39

    ao meu comentario anterior meu nome é reinaldo roda.

    A responsabilidade do comentário é do autor da mensagem e não representa a opinião do Paraná Online.
    Denuncie o comentário Responda o comentário

  • reinaldo roda
    15/05/2009 - 07:36

    bando de ignorantes falam em familia em igreja ?mas que familia mas q igreja.hoje em dia pais estupram filhas ,matam filhos. igreja em q pastores e padres vivem na riqueza e os fieis? sou a favor sim da adoção á casais do mesmo sexo.ignorançia basta.

    A responsabilidade do comentário é do autor da mensagem e não representa a opinião do Paraná Online.
    Denuncie o comentário Responda o comentário

  • Robson Leal
    15/05/2009 - 07:01

    Concordo em tudo oq falou a MARA LIBERATO GENEROSO.

    A responsabilidade do comentário é do autor da mensagem e não representa a opinião do Paraná Online.
    Denuncie o comentário Responda o comentário