Temperatura

Publicado em 19/05/2013 às 20:58:09 - Atualizado em 19/05/2013 às 21:11:58
Perfil de Luiz Claudio Massa

Não "deu certo" dentro de campo, mas percebeu que o futebol faria parte da sua vida, mesmo longe das quatro linhas. Tem diploma de treinador de futebol, mas espera nunca precisar dele. Trata as coisas do futebol e da vida com simplicidade e leveza. Sem angústias.

Mais duas questões que comprovam que os campeonatos estaduais devem ser revistos e, provavelmente, enxugados. No Paraná, quem saiu no lucro foi a Federação Paranaense de Futebol, afinal a entidade amealhou mais de seiscentos mil reais mesmo sem ter time para colocar em campo. Todos os demais ficaram nos prejuízos inerentes ao futebol: treinamento, alimentação, hospedagem, transportes e despesas médicas, entre outras. O que não é barato.

Outra comprovação é de que os times saem dos estaduais abalados fisicamente e emocionalmente e, em uma semana, iniciam o Brasileirão, um dos campeonatos mais difíceis do mundo. Não dá tempo para recuperar jogadores nem reprogramar as atividades com mais tranquilidade. Todos sabemos que em disputas por pontos corridos, as primeiras rodadas valem tanto quanto as últimas. É preciso pontuar desde o primeiro jogo. A pressão não desgruda.

O Brasileirão 2013 vai ser diferente. Depois de cinco rodadas a parada da Copa das Confederações possibilita uma inter-temporada. Por isso, a missão é somar o maior número de pontos até lá. Poucos times estão preparados para a competição.

Os clubes que estavam disputando a Libertadores saem na frente por estarem mais organizados. Atlético Mineiro e Fluminense ainda brigam em duas frentes. Os outros encaram esse início na base do “vamos jogar pra ver como é que fica”. Caso sintam que o elenco é satisfatório tocam em frente. Na dúvida, vão atrás de reforços. Isso serve tanto para a busca por jogadores quanto por treinadores.

Os nossos representantes entram nessa segunda turma. Paraná Clube, na série B; Coritiba e Atlético, na série A; vão colocar o time em campo para sentir a temperatura da disputa. Devem ir ao mercado caso os respectivos times não evoluam. Apostam em boas surpresas para economizar nas contratações. Isso até a Copa das Confederações terminar.

Silvinho

O jornalista e radialista Silvio de Tarso nos deixou. Sabia tudo sobre os mistérios do futebol e se embalava nas canções com sua "Conversa Afinada". Seus companheiros de trabalho nunca ouviram dele uma palavra deselegante ou que configurasse algum desrespeito. Ao contrário, puderam absorver o que há de melhor no ser humano. Nunca será esquecido!

Publicidade

Publicidade