Manchas na pele, um sinal que merece atenção

Publicado em 11/06/2009 às 21:00:00 - Atualizado em 20/01/2013 às 09:46:00
Perfil de O Especialista

Aqui você sempre encontra um especialista que discute um tema em voga relacionado à área da saúde.


Marcella Delcourt, dermatologista.

Toda pessoa em qualquer idade está sujeita a apresentar pequenas alterações na coloração da pele. São as incômodas manchas que podem surgir em diferentes tonalidades e causadas por distintos fatores. Quem deseja ter uma pele saudável e com uma cor uniforme está sempre atento ao aparecimento de alguma mancha, que pode ser sinal de um descuido ou mesmo de algo mais sério. As causas dessas manchas podem ser as mais variadas como, por exemplo, alteração na produção de melanina, infecções, distúrbios hormonais, exposição excessiva ao sol, gravidez e marcas de acne.

Para saber qual o tipo de mancha e o tratamento, o mais importante é consultar um médico dermatologista para que se possa realizar o diagnóstico. Cuidar da pele exige disciplina e deve ser considerado um hábito importante no dia-a-dia, para que ela possa refletir os cuidados que a pessoa tem com seu organismo, resultando numa pele de aparência jovem e saudável.

As manchas brancas podem ser hereditárias/genéticas (manchas claras de nascença) ou adquiridas, como vitiligo, dermatite atópica, micoses, excesso de exposição solar, doenças infecciosas raras e trauma. As manchas escuras também podem ser hereditárias/genéticas (pintas e manchas escuras de nascença, sardas) ou adquiridas, como manchas de sol, melasma, contato com produtos químicos e plantas, como o limão, causadas por remédios, carência nutricional, alterações hormonais, gestação, doenças no fígado, rins, intestinos e colágeno. As pessoas mais morenas têm maior tendência às manchas escuras, principalmente após algum trauma.

Existem, ainda, manchas amarelo-alaranjadas, causadas por excesso de caroteno/vitamina A na alimentação, icterícia (alterações no fígado/vesícula biliar) e acinzentadas (ocronose - genética ou por uso prolongado de algumas substâncias, como a hidroquinona, fenol e a resorcina). O tratamento é bem parecido, pois todas as manchas têm relação com a luz. O que difere é a sua profundidade, que pode ser avaliada pelo dermatologista. Quanto mais superficial a mancha, mais fácil e rápido o seu tratamento.

Já, nas mãos, as manchas são geralmente ocasionadas pelo sol e aparecem a partir dos 35 anos de idade, quando já se sente os efeitos cumulativos da exposição solar desde a infância. Atualmente, o melhor tratamento é feito com laser ou luz pulsada, seguido da aplicação de um peeling à base de ácidos clareadores. É importante sempre usar filtro solar nas mãos e cremes despigmentantes em casa.

Para as pessoas de pele com sardas, naturalmente clara e delicada, o cuidado principal é o de evitar a exposição solar direta e usar sempre um filtro solar com fator alto de proteção UVA e UVB. A presença de sardas é um fator potencial ao desenvolvimento do câncer de pele. As sardas são uma herança genética e indicam que a pele é clara com mais tendência a apresentar manchas solares e até câncer de pele com o passar da idade e com a exposição solar cumulativa durante os anos.

Publicidade

Publicidade