Dicas para se falar e escrever bem o português

Publicado em 12/04/2009 às 21:00:00 - Atualizado em 20/01/2013 às 09:45:44
Perfil de Freire e Scherner

Albino de Brito Freire é juiz aposentado, é da Academia Paranaense de Letras. Leopoldo Scherner é da Academia Paranaense de Letras e professor universitário aposentado.

***
"Sábio é aquele que se espanta com tudo."
André Gide
***


1. Partículas atrativas versus infinitivo impessoal.
a) Sem nunca alcançá-lo... (E não: Sem nunca o alcançar...)
b) Por não amá-lo... (E não: Por não o amar...)
c) Decidiu não protegê-la mais. (E não: Decidiu não a proteger mais.)
d) Entendeu que mimar-me daquele jeito era um erro grave. (E não: Entendeu que me mimar daquele jeito...)

IMPORTANTE: Lembre-se de que partículas negativas, advérbios, pronomes relativos e conjunções subordinativas perdem sua força atrativa com relação aos pronomes oblíquos, diante do infinitivo impessoal. Eu disse: infinitivo impessoal, pois tal não acontece com o infinitivo pessoal (proteger - eu, protegeres - tu, proteger - ele, protegermos - nós, protegerdes - vós, protegerem - eles. Ex.: O melhor é me protegeres.) O infinitivo impessoal prevalece sobre todos. Essa, aliás, era a colocação preferida dos clássicos.
E pouca gente sabe disso... chegando mesmo a considerar erradas as colocações pronominais acima.

2. Através de. Evite o uso da expressão "através de" em frases como estas:
a) Através de recursos adequados...
b) Através de artifícios...
c) Excomunhão feita através do bispo...

Diga, simplesmente:
a) Mediante recursos adequados...
b) Por meio de artifícios...
c) Excomunhão feita pelo bispo...
A propósito, jamais use a expressão "através alguma coisa" (sem a preposição "de"), porque não existe tal regência nominal da palavra "através".

3. Audiência tem acento? Tem, sim senhor! Paranoia, jiboia e assembleia é que perderam o acento agudo na sílaba aberta, por serem paroxítonas. Daí, a confusão que se está fazendo, por acreditar que todas as paroxítonas terminadas em ditongo perderam o acento gráfico, o que não é verdade.

Veja-se: evidência, divergência, odediência, cadência... Todas com acento gráfico!

4. Então, destróier não tem acento? Tem, sim senhor! Essa paroxítona termina em "r". Logo, segue a regra geral:
As paroxítonas terminadas em "r" são acentuadas. Sem o acento, iríamos pronunciá-la como oxítona:
destroier (ér).

5. Observe: pacto, compacto, convicto, friccionar, pictural; convicção; adepto, apto, díptico, erupção, eucalipto, inepto, núpcias, rapto. Estas sequências: "ct", "cç", "cc"; "pç"; "pt" e "pc" são conservadas pelo acordo ortográfico, por serem enunciadas nas pronúncias cultas da língua.

6. Lapidar e delapidar.
a) Lapidar (adjetivo) = breve, preciso; primoroso, artístico.
b) Lapidar (verbo) = apedrejar, polir, aperfeiçoar (pedra preciosa).
c) Delapidar (verbo) = demolir, arruinar, dissipar.
Não esquecer que lapidar e delapidar originam-se de palavra latina lapis, lapidis que significa "pedra".

7. Curiosidade: Como se chamava o mau ladrão, crucificado do lado esquerdo de Jesus? Chamava-se Jestas. E o do lado direito, Dimas.

8. a) Ele levantou os braços. E não ... seus braços.
b) Arregaçou as mangas da camisa.
E não ... da sua camisa.
c) Ela perdeu o juízo. E não... o seu juízo.
Observe que é mais elegante omitir, nesses casos, o pronome possessivo.

9. O isqueiro está sem FLUIDO (sem acento, e a pronúncia é "flúido", com a tônica no "u"). Existe a forma verbal FLUÍDO (com acento gráfico no "i"), que é o particípio de FLUIR. Diga também GRATUITO (com a tônica no "u", e não "gratuíto", com acento no "i").

10. a) Ele chegou à uma hora (= exatamente às 13h).
b) Ele chegou há uma hora (= faz uma hora).

PEGADINHAS:

Seu defeito é não dobrar-se ao poder da verdade.

Resposta:

Tudo certo. Como vimos acima (item "1"), há prevalência da atração do infinitivo impessoal sobre a da expressão negativa e sobre qualquer outra partícula normalmente atrativa.

Gratos a todos pela colaboração. Por hoje, é só. Até o próximo domingo!

Albino de Brito Freire é juiz aposentado, é da Academia Paranaense de Letras. Leopoldo Scherner é da Academia Paranaense de Letras e professor universitário aposentado.

Publicidade

Publicidade