Problema

Publicado em 07/03/2013 às 21:19:11 - Atualizado em 07/03/2013 às 21:14:38
Perfil de Augusto Mafuz

Augusto Mafuz é parte da história do futebol paranaense e nacional. Como jornalista e advogado há mais de trinta anos, conhece o futebol para muito além das quatro linhas. Não faz jornalismo a pedidos. Não se resume a apresentar fatos contados e amanhecidos. Busca-os e os interpreta dentro de uma lógica, fazendo de sua crônica o que o jornalismo deve ser: informação de verdade e independência. É isso o que faz o único e inconfundível.

Onde se pretende chegar com a notícia de que as obras da Baixada estão paradas, como é o significado de um por cento em construção civil? De que a Baixada pode não ficar pronta e Curitiba deixar de ser sede da Copa do Mundo? Está ai um negócio que não me preocupa.

Cito as razões recentes. Ontem, o prefeito Fruet vestiu terno e gravata para gravar uma mensagem institucional convocando a população de Curitiba para ser intensa na participação da Copa do Mundo. Foi além: está despachando técnicos do municipio para mostrar em Londres o que Curitiba vai oferecer aos ingleses.

O governador Beto Richa ri, quando lhe passam a preocupação de que a Baixada corre o risco de não ficar pronta. A Baixada não é problema, é a solução para Richa e Fruet. O problema do Atlético é outro, mais grave: time e campo para jogar o Brasileiro.

Entrevista

O fato foi no mínimo inusitado, próprio a um futebol de fazenda como é o paranaense: o diretor de árbitro convoca uma entrevista coletiva para informar as suas conclusões sobre a arbitragem de um jogo. E, ao mesmo tempo em que exalta o trabalho do árbitro, o afasta. O motivo é de “preservação”. Não há nenhum ato que preserve um árbitro como o de não o excluir em nenhuma rodada.

O inusitado está no impossível, que é o diretor acusar o seu subordinado, pois aí encamparia a responsabilidade direta pelo fracasso. O inusitado está embutido no preço.

Publicidade

Publicidade