Explosão

Publicado em 04/12/2012 às 05:32:30 - Atualizado em 20/01/2013 às 09:55:39
Perfil de Augusto Mafuz

Augusto Mafuz é parte da história do futebol paranaense e nacional. Como jornalista e advogado há mais de trinta anos, conhece o futebol para muito além das quatro linhas. Não faz jornalismo a pedidos. Não se resume a apresentar fatos contados e amanhecidos. Busca-os e os interpreta dentro de uma lógica, fazendo de sua crônica o que o jornalismo deve ser: informação de verdade e independência. É isso o que faz o único e inconfundível.

Quando se trata do Atlético, nada é simples, tudo é em dobro. Um simples traque para assustar moleque torna-se uma dinamite; um barulhento estrondo torna-se uma explosão, e a vinda do bombeiro, por simples prevenção, é transformada em mobilização contra incêndio. Mas deixe estar, faltam poucas madrugadas para dezembro de 2013. E aí sim, o Furacão vai explodir.

Ironia


Um dia desses, o presidente Vilson Ribeiro de Andrade falou que o Coritiba só empresta o Couto Pereira para o Atlético “se Petraglia renunciar”. Conhecendo o dirigente, imagino que quis usar uma questão pessoal para desviar a atenção geral, que é a fracassada campanha coxa em 2012. Não deixou de ser infeliz.

À propósito, o problema de estádio no Atletiba, com mando seu mando no Estadual e no Brasileiro, já não é mais questão de obrigação do Atlético, mas dos órgãos de segurança. O clube indicou o Janguitão. Vetado pela segurança, cabe ao Estado requisitar um local. E aí, o interesse público, que é a segurança do povo, sobrepõe a qualquer interesse particular.

Ainda mais: já imaginaram um Atletiba em dia de tormenta como no domingo, com os dois times não podendo passar pelo túnel? Ou passam e se afogam ou passam por fora e apanham.

Objetivo

Passo pela redação da Tribuna do Paraná, e pergunto para o espirituoso jornalista Carlos Bório, torcedor tricolor: - E o Paraná, hein? - Sobreviveu, respondeu na tampa. Precisa escrever mais sobre aquele que o saudoso Lombardi Junior titulava de Tricolor-tricolão?

Perguntar não ofende

E os cartorários, gostaram do aumentinho das custas?