Aumento benigno da próstata atinge 60% dos homens acima de 40 anos

Agência Brasil Publicação 03/06/2004 - 16h31 Atualizado 19/01/2013 - 20h45
Levantar várias vezes à noite para urinar e sentir dificuldades ou dor para iniciar a micção são sintomas que afligem muitos homens a partir dos 40 anos. Apesar de serem sinais comuns do câncer de próstata, o incômodo também pode estar associado à Hiperplasia Prostática Benigna (HPB), doença que se caracteriza por um aumento não canceroso do volume da próstata. Para a Sociedade Brasileira de Urologia, a detecção precoce da doença é a melhor maneira de tratar ou minimizar os sintomas da HPB. “É preciso estar atento à ocorrência dos sintomas e procurar rapidamente um especialista para confirmar o diagnóstico”, explica o urologista Luiz Carlos Miranda, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Segundo estudos mundiais, 60% dos homens entre 40 e 59 anos e 90% dos homens acima de 70 anos sofrem de HPB. A doença é uma das causas mais comuns da obstrução do fluxo urinário, que se não for tratada pode levar a complicações graves como distensão da parede da bexiga, retenção urinária aguda, infecções e, nos casos mais extremos, disfunção renal.

Um estudo internacional patrocinado pelo Laboratório Sanofi Sinthelabo também mostrou recentemente que há relação entre os chamados sintomas do trato urinária inferior (LUTS, em inglês), comuns na HPB, e nas disfunções sexuais. Foram entrevistados 14 mil homens de 50 a 80 anos pertencentes a sete países, entre eles o Brasil. Dos 83% que se declararam sexualmente ativos, metade afirmou que apresenta disfunção erétil decorrente do LUTS, 47% têm ejaculação reduzida e 7% se queixam de dores ao ejacular.

Nos casos mais graves de HPB, a cirurgia é o tratamento indicado para diminuir o tamanho da próstata e desobstruir o canal da uretra, mas o procedimento pode causar impotência ou incontinência urinária. Em muitos casos, a cirurgia é desnecessária e os médicos optam por tratar apenas os sintomas com medicamentos. Os mais comuns são os comprimidos à base de finasterida e de agentes alfa-bloqueadores, que atuam relaxando a musculatura lisa da próstata e facilitando a micção.

Os especialistas recomendam que homens com mais de 50 anos submetam-se anualmente ao exame físico da próstata, que inclui o toque retal e a dosagem do antígeno prostático específico (PSA). Os exames podem ser feitos gratuitamente nos hospitais credenciados à rede do Sistema Único de Saúde (SUS).

Publicidade

Publicidade

Comente a notícia