Sedentarismo aumenta risco de doenças

Cintia Végas Publicação 12/10/2002 - 01h00 Atualizado 19/01/2013 - 20h35

O sedentarismo, isto é, a falta de atividades rotineiras que promovam o gasto de energia, é uma das principais causas de problemas cardiovarculares, diabetes, obesidade, alguns tipos de câncer, entre outras doenças. Quem garante é o especialista em medicina do esporte Marcelo Leitão, da Unimed Curitiba.

Até o fim da tarde de hoje, ele e outros profissionais discutem este e outros assuntos, no Salão de Atos do Parque Barigüi, durante o 3.º Congresso Paranaense de Medicina do Esporte. O evento teve início ontem e é uma iniciativa da Unimed Curitiba, Conselho Regional de Medicina, Federação das Unimeds, Associação Médica e Sindicato dos Médicos do Paraná.

Segundo Marcelo, as doenças causadas pelo sedentarismo começaram a se manifestar a partir do início do século XX, quando, devido à Revolução Industrial, a vida do homem começou a se tornar mais "confortável". "Antes, as pessoas eram bem mais ativas, mesmo sem praticar esportes", afirma.

Hoje em dia, utilitários como o carro, o elevador e o controle remoto estão contribuindo para que as pessoas se tornem cada vez mais acomodadas, gastando energia com bem menos intensidade. "O conforto moderno é uma das principais causas do sendentarismo", explica o médico. "Até as crianças estão sendo vítimas: cada vez mais, são verificados casos de obesidade e diabetes tipo 2 – que antes era uma doença percebida apenas em pessoas de mais idade – em crianças."

O médico diz que o sedentarismo não está apenas ligado à prática ou não de esportes. No dia-a-dia, as pessoas se tornam ativas realizando atividades consideradas simples e corriqueiras, como lavar o carro, limpar uma calçada, preferir a escada ao elevador, deixar o carro na garagem quando tiver que executar pequenos percursos e fazer jardinagem. "Se a pessoa quiser, a prática de esportes é benéfica e bastante indicada. Porém não é preciso ser um esportista para levar uma vida não sedentária", declara.

Já as crianças, podem deixar o videogame, a televisão e o computador de lado para andar de bicicleta, jogar bola, pular corda ou brincar de esconde-esconde. "Aliada à alimentação não adequada, a falta de atividades que gastem energia é ainda mais prejudicial à saúde. O corpo humano não foi feito para ficar parado", finaliza.

Dia Saudável

Dentro da programação do Congresso, médicos da Unimed e estudantes do Unicenp e da Universidade Tuiuti estarão hoje, das 9h às 17h, no Parque Barigüi, participando do Dia Saudável. Gratuitamente, quem passar pelo local poderá fazer exames para medir a pressão arterial, a taxa de colesterol e de glicemia, obter informações sobre tabagismo, fazer avaliação da composição corporal e saber sobre a prática adequada de exercícios físicos.


Publicidade

Publicidade

Comente a notícia