Surpresa no encontro dos rios Negro e Solimões

Mara Andrich Publicação 12/12/2010 às 00:00:00 Atualizado 19/01/2013 às 21:59:01
Mara Andrich
Fenômeno ocorre pela diferença entre temperaturas e densidades das águas dos dois rios.

Um dos maiores atrativos para turistas na Amazônia é o encontro das águas dos rios Solimões e Negro. As duas não se misturam por conta de seus componentes, formando uma paisagem surpreendente: a cor clara do Solimões em contraste com o escuro Rio Negro.

Segundo os guias do Iberostar, cruzeiro que faz passeios pela região, este fenômeno ocorre porque a temperatura e a densidade dos dois rios são bem diferentes.

Nesta época do ano, a diferença não é tão visível quanto de janeiro a julho, mas ainda assim a diferença surpreende. O encontro se dá bem próximo a Manaus, e há várias companhias de turismo da região que levam os turistas para esse passeio.

Outro passeio interessante é aquele em que o turista caminha uma meia hora na mata para avistar a vitória-régia, uma planta aquática amazônica que pode chegar até a 2,5 m de diâmetro, podendo suportar sobre ela até 40 quilos.

Uma das belezas da planta é a sua flor branca, que só se abre à noite e libera um odor adocicado. O surpreendente é que no segundo dia da floração a flor se torna cor-de-rosa.

Os insetos são atraídos pelo cheiro, bem como pelas cores, e ali ficam presos. Ao voltar da observação da vitória-régia, o turista tem a oportunidade de pescar piranhas.

Alguns índios (já civilizados por conta do contato e da influência dos brancos) são amistosos e gostam de divulgar sua cultura para os visitantes, embora estes se sintam constrangidos em invadir as aldeias.

Uma das aldeias que pode ser visitada é a da etnia Cambeba, que está há 20 anos na Amazônia. O chefe da tribo, Valdenir Silva, diz que não se pode mais viver isolado, sem atendimento médico ou escola para as crianças.

"Não podemos perder nossos costumes, mas temos que ter escola, saúde. Hoje não se morre mais de tuberculose ou doenças sexualmente transmissíveis. Temos acesso ao atendimento médico e às vacinas", conta. Na aldeia há posto médico, escola e casas simples, além de artesanato.

A época de seca, porém, proporciona outros atrativos na Amazônia. Com a água baixa é possível fazer um passeio na região do Tarumamzinho, onde se forma praias com areias finas, local propício para banhos. Porém, é preciso ficar atento com a visita inesperada de jacarés. A jornalista viajou a convite do Grupo Iberostar.


Publicidade

Publicidade

Comente a notícia