Déficit de atenção não diagnosticado prejudica casamentos

Publicação 29/07/2010 às 14:10:36 Atualizado 19/01/2013 às 21:53:09

O problema, em si, é chamado de Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). Na prática, trata-se do seguinte: é um transtorno neurológico como tantos outros, e se caracteriza por hiperatividade e déficit de atenção. O problema é que esse transtorno, em uma relação conjugal, pode ser traduzido como preguiça, egoísmo, falta de atenção e amor ao parceiro. Nesses casos, a desculpa "mas é que eu tenho Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade" pode não colar, mesmo que seja verdade.

Numa relação de casal, quem sofre de TDAH costuma revelar sintomas como distração - se esquece de reparar em certos detalhes no cônjuge ou na casa -, desorganização - acaba deixando de lado, sem querer, afazeres que muito interessavam ao parceiro - e esquecimento - datas de aniversários, por exemplo -, e quase sempre são muito mal recebidos pelo cônjuge.

Uma pesquisa psiquiátrica revelou que 4% dos adultos sofrem de TDAH. Na maioria das vezes, manifestam sintomas do problema ainda crianças, mas eles acabam não sendo diagnosticados corretamente. É um problema difícil de superar, por mais que o adulto se esforce, e estudos indicam que uma pessoa com TDAH tem duas vezes mais propensão a se divorciar do que alguém que é livre desse mal.

Quem está levando as pesquisas adiante nesse campo, principalmente, é uma psicóloga, Melissa Orlov, cujo marido foi diagnosticado com o problema há cinco anos. Ela explica que os casais se separam, na maioria dos casos, porque não há diálogo aberto em relação ao problema, e os problemas de distração, desorganização e esquecimento são quase sempre encarados como falta de interesse no casamento, e não como uma doença.

Quando o casamento da psicóloga estava por um triz, ela conheceu as pesquisas de um médico sobre o assunto, e com o tratamento adequado o seu casamento acabou sendo salvo.

Como diagnosticar se você ou seu cônjuge sofrem de TDHA? Antes de consultar um psicólogo, você pode fazer um exercício de observação. Perceba se é apenas um dos dois que está acumulando todas as obrigações domésticas e tomando parte nos compromissos dos filhos. Tente notar se alguém está se esquecendo de ir pegar as crianças na escola ou de pagar certas contas em dia. Em outra face do problema, veja se um dos membros está dando excessiva atenção ao trabalho ou algum projeto pessoal em detrimento do lar e da família.

Se sim, não se sinta abandonado, e não saia virando o mundo de cabeça para baixo, acusando o cônjuge de não gostar da família. Antes disso, consulte um psicólogo, que pode detectar facilmente um TDHA. Enquanto você não fizer isso, o casamento pode estar se desgastando pouco a pouco, já que você acumula sua raiva enquanto o cônjuge comete erros por falta de atenção sem ter consciência do mal que está fazendo.

Uma vez que vocês procuraram ajuda médica, começa o tratamento. E não são apenas as sessões com o psicólogo em si, há remédios que também podem ajudar. Apesar disso, no entanto, o núcleo do tratamento consiste em fazer o máximo possível para que o casal se uma em torno de um único objetivo: fazer o cônjuge com TDHA se lembrar das coisas. Isso faz com que ambos encarem o problema como um obstáculo que devem superar juntos, o que fortalece o casal, segundo Orlov.

Ela costuma usar o seguinte método: cartões com tarefas que o cônjuge "saudável" deve passar ao que sofre com TDHA. O cônjuge saudável (que tem as mesmas chances de ser o homem ou a mulher, até hoje não se sabe de uma incidência maior do transtorno em determinado sexo) fica responsável por fazer o controle das tarefas do outro, e contabilizar quantas foram cumpridas ao final de uma semana, ou de um mês. O resultado, de acordo com a psicóloga, é surpreendentemente eficaz.

Fonte: Déficit de atenção, se não diagnosticado, pode prejudicar seu casamento


Publicidade

Publicidade

Comente a notícia