Gol City é bom de preço e de economia

Redação O Estado do Paraná Publicação 24/06/2004 - 00h00 Atualizado 19/01/2013 - 20h45

Apesar do lançamento de versões intermediárias, com motores entre 1.3 e 1.6 litro de cilindrada, os chamados "populares", equipados com motor 1.0, continuam sendo os mais procurados nas concessionárias. O Gol City é um exemplo disso.

O realinhamento das versões, parte de um programa para simplificar a oferta dos modelos Volkswagen, busca aproximar cada vez mais a marca, dos desejos do consumidor. Essa tendência tem dado certo. O Gol aumentou sua participação no mercado depois das primeiras mudanças promovidas pelo realinhamento em fevereiro com a chegada das versões "City", 2 portas, com motor 1.0 8V álcool ou gasolina e a versão 4 portas, com a opção do 1.0 8V álcool ou gasolina e 1.6 Total Flex.

Além dos itens que o tornaram competitivo no segmento dos carros populares, o Gol City teve a aparência e o interior renovados. A versão de entrada do VW Gol, o carro mais vendido do Brasil há 17 anos, ganhou visual externo mais moderno e atraente.

Pára-choque e grade dianteira estão agora integrados em uma única peça, exclusivamente na cor cinza Naval (que também é a cor do pára-choque traseiro). Mas o Gol deve passar por uma reforma visual na linha 2005, o que marcará a chegada do Geração IV.

Outros importantes referenciais de mudança visual externa são os faróis que abrigam as luzes dianteiras indicadoras de direção, que passam a ser de cor branca. O interior do Gol City está mais sóbrio, com predominância do preto como cor ambiente e do cinza Antracite nas laterais, costas dos bancos e insertos nas laterais. O Gol City é o único modelo em sua categoria equipado com regulagem do banco do motorista. Os botões de acionamento do ar, ventilação forçada, faróis e acendedor de cigarros têm iluminação vermelha, enquanto a cor branca predomina na iluminação do quadro de instrumentos.

O modelo popular de entrada da Volkswagen mantém a motorização atual - 1.0 8V a gasolina ou álcool, com potências de 61 cv (álcool) e 57 cv (gasolina) - e a excelente relação custo-benefício que só a família Gol proporciona ao consumidor brasileiro. Dados de consumo do Gol City segundo a Volkswagen: 13,6 km/l na cidade e 17 km/l na estrada.

Olho clínico

Campeão de vendas da Volkswagen, o Gol City 4 portas continua mantendo posição de destaque entre os modelos mais vendidos, mesmo com toda sua simplicidade, principalmente nas versões 1.0. O City combina o visual da chamada Geração III com o interior do Gol "bolinha".

Ao assumir o volante do carro, nota-se quanto o peso dos anos tem prejudicado o compacto da marca alemã. É difícil encontrar uma posição de dirigir ideal. O espaço interno é limitado pela posição longitudinal do motor. E o câmbio perdeu a precisão ao longo do tempo. Limitado também é o espaço no porta-malas, com capacidade para até 285 litros de bagagem. Na versão básica do Gol City, é bom se acostumar com a falta de travas e vidros de acionamento elétrico. Assim, a tarefa de verificar se todas as portas estão travadas torna-se rotineira no dia-a-dia.

No painel, além das luzes-espia há apenas velocímetro (com marcação até 160 km/h) e marcador do nível de combustível, ambos ainda do Gol Geração II. A ausência do conta-giros dificulta o aproveitamento da potência extra do novo motor. No lugar dele há apenas um singelo desenho do carro esquematizado com a pressão ideal dos pneus. Os pontos positivos ficam por conta da direção hidráulica, dos apoios de braço das portas (bem posicionados) e do pouco esforço para se acionar o pedal de embreagem.

Com acelerador eletrônico (que dispensa o uso de cabos), o motor 1.0 de 8 válvulas gera 65,3 cavalos e 9,1 kgfm de torque a 4.500 rpm. Como é normal em todo modelo 1.0, é preciso ter paciência e cautela nas ultrapassagens, por causa da falta de força. Mas até que mantendo um nível de giro intermediário o carro dá conta do recado no trânsito. Para não perder agilidade é só não deixar a rotação do motor cair muito.

O volante de três raios tem boa empunhadura e a direção hidráulica facilita as manobras sem perder a firmeza em velocidade. Outra qualidade do Gol City é a estabilidade nas curvas. Em contrapartida deve-se acostumar com os freios, acionados ao mais leve toque no pedal, o que dá margem para o travamento das rodas, principalmente em pisos escorregadios. Segundo a Volkswagen, o Gol City acelera de 0 a 100 km/h em 14,7 segundos e atinge 160 km/h.

Com preço sugerido de R$ 21.039,00 (máximo de R$ 28.277,00 com opcionais ou acessórios), o Gol City tem entre os itens de série banco do motorista com regulagem de altura, (mas é preciso se levantar do assento para o ajuste desejado), os cintos de segurança laterais traseiros de três pontos e as calotas integrais. Os opcionais também são poucos, tendo como destaque o ar-condicionado, a direção hidráulica, os pára-choques na cor do carro e o módulo lavador/limpador e desembaçador do vidro traseiro. Nada além do necessário.


Publicidade

Publicidade

Comente a notícia